terça-feira, 15 de agosto de 2017

VOCAÇÃO MATRIMONIAL


Deste dos tempos em que Deus criou o mundo, quis que o pilar central fosse a família. Temos nas Escrituras Sagradas três momentos que prova isso, são estes:

1- Deus criou o homem e a mulher, Adão e Eva, que podemos denominar família da criação; 2- Temos também a família de Noé, que podemos chamar de família remissão dos pecados; 3- Por fim, a principal de todas a Sagrada Família de Nazaré, Jesus, Maria e José: família da salvação.


Olhando neste horizonte, podemos afirmar que a vocação matrimonial foi introduzida em nossos corações junto com a nossa criação e dessa vocação, origina-se as demais vocações.




Deste ponto acima citado, podemos afirmar que a família é divina porque foi instituída por Deus, apesar das dificuldades que a família atravessa nos tempos atuais. Podemos ir mais longe ainda a chegar dizer que a família não está em crise, esta por sua vez, se dá pelos indivíduos que formam as famílias hoje.
Vocação significa amor! Na família aprendemos esse significado em quatro sentidos: amor filial, fraterno, dos esposos e por fim o paternal e maternal.


Como filhos aprendemos a experiência de receber o amor dos nossos pais e como irmãos aprendemos a experiência da partilhar e dividir todas as necessidades pelas quais passamos.
Como marido e mulher conhecemos a experiência da entrega, mas também a doação, quando passamos para nossos filhos tudo que aprendemos com os nossos pais.
Concluímos dizendo que, a vocação matrimonial está dentro de nossos corações e dela se origina todas as vocações que conhecemos.




Jairo Argileu e Célia Almeida
Pastoral da Família
Arquidiocese de Aracaju-SE


domingo, 13 de agosto de 2017

ARCEBISPO REALIZA VISITA CANÔNICA

Ao entardecer da última terça-feira, 08 de agosto de 2017, o Arcebispo Metropolitano Dom João José Costa, iniciou sua visita canônica no Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição.
























Na ocasião, o Arcebispo conversou, rezou, conviveu com os seminaristas e participou dos momentos comunitários, estando em tempo integral em nossa comunidade. Além disso na quarta-feira, realizou um momento formativo para toda a comunidade seminarística.


Na quinta-feira, encerrou a primeira parte da sua visita com a celebração da Santa Missa. Recordou aos seminaristas que retornará para continuar sua visita e atenderá os seminaristas estudantes do curso de Teologia, para assim, concluir sua visita canônica.

CONFIRA ALGUMAS FOTOS:














quinta-feira, 10 de agosto de 2017

SACERDOTE: O HOMEM DA ETERNA UNIÃO


Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e produzirdes fruto (Jo 15,16). É com essa passagem bíblica dentre tantas outras que conseguimos vislumbrar o que seja o ministério sacerdotal. O sacerdote é aquele que foi escolhido por Jesus, não porque é o mais santo ou melhor dentre tantos outros, mas porque a ternura de Jesus o alcança de um modo inexplicável, mas tão profundo que é impossível não se render a este amor. Amor esse que se dá e se revela na liberdade humana e que tem a capacidade de plasmar, moldar, transformar uma vida e um coração humano diante de sua pequenez e fragilidade em um coração divino assim como o do mestre e pastor Jesus Cristo.

Olhar para o sacerdote é ver uma vida de renúncia, doação, serviço, entrega, sacrifício, contudo sempre envolto da graça de Deus, até porque sem ela nada poderia ser feito em totalidade. Principalmente diante de um mundo e uma sociedade egoísta, materialista, hedonista entre outras características que muitas das vezes levam a descredibilidade como alvo a ser atingido para assim deturpar a imagem do sacerdócio e perder sua força e credibilidade no mundo. Mas não olhemos para a fraqueza da qual todos estão propensos e tentados a cair, porém fixemos o nosso olhar para aquilo que é luz para a humanidade no ministério sacerdotal.


“O Sacerdote é o amor do Coração de Jesus”, já dizia São João Maria Vianney, isso para explicar tão grande dom de Deus que é colocado e manifestado em meio a fragilidade humana. O sacerdote é a ponte entre Deus e o ser humano e é por meio dele que agindo em persona Christi, na pessoa de Cristo, que temos os diversos sacramentos, entretanto de modo especial o da Eucaristia e da Reconciliação, sacramentos estes que revelam a comunhão com Jesus de um modo admiravelmente lindo e profundo, onde o humano e o divino dão se as mãos, mas também onde a miséria humana é abraçada pela misericórdia divina. O que seria de nós sem a presença do sacerdote? Fica para reflexão pessoal.

A intenção desse texto aqui não é mostrar o sacerdote do ponto de vista teológico com suas teorias e estudos, nem tão pouco exaltar de modo sobrenatural, mas antes é mostrar essa eterna união que supera toda e qualquer imperfeição, esse tesouro que é depositado em vasos de argila, mas que sempre está à disposição para manifestar a glória e o poder de Deus. Portanto, rezemos pelos nossos sacerdotes para que sejam fiéis a missão a eles confiados, mas também para que muitos jovens se deixem tocar pelo chamado e a ternura divina e assim se coloquem com disposição e generosidade a vocação sacerdotal. Pelo amor de Maria, dai-nos santos sacerdotes ó Jesus.















Seminarista Tito Lívio
4° Ano de Teologia
Diocese de Estância-SE

terça-feira, 8 de agosto de 2017

SOMOS UM POVO VOCACIONADO


O povo de Deus é por sua natureza um povo vocacionado. Se vocação deriva do verbo latino vocare, que quer dizer chamar, podemos afirmar que todo o povo de Deus é um povo vocacionado, pois as Sagradas Escrituras nos mostram que Deus chama em todo tempo e lugar homens e mulheres para se colocarem ao seu serviço e formarem um povo santo segundo a sua vontade. A partir disso podemos afirmar que nossa fé nasce da resposta ao Deus que se revela (cf. Dei Verbum, nº 5), que nos chama.
E o novo povo de Deus é justamente chamado de Ekklesia (Igreja) (do grego - assembleia de convocados), povo que escuta o seu Senhor, escuta o seu chamado, que se deixar transformar por ele e assim se põe ao seu serviço e de toda a humanidade. Assim, nas palavras do Cardeal Martini, “no batismo, o homem, em sua totalidade, é posto a serviço de todo homem”. Este serviço se dá em uma vocação específica.
A partir disso, a Igreja no Brasil instituiu o mês de agosto como o mês vocacional. Neste período ela nos convida a refletir e a rezar pelas vocações, mostrando a diversidade das formas de se responder ao Deus que chama, porque “as vocações são todas diferentes, cada uma é um caso, é uma história, um evento” (Cardeal Martini). Neste sentido, o mês vocacional é um tempo propício para olhar as vocações presentes na Igreja a serviço do Senhor e do seu povo. Por isso em cada, em cada domingo, o dia da assembleia cristã por excelência, nos é dada como intenção um tipo de vocação: sacerdotal, familiar, religiosas e os ministérios leigos.
Portanto, um dos principais objetivos deste mês é a promoção das vocações, convidando cada batizado a se colocar numa condição de escuta atenciosa ao Senhor: “Ouve, ó Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. (Dt 6,4). É sendo atentos a este Senhor que nos chama a santidade, que poderemos encontrar nossa forma de responder a ele, em meios as tantas que com alegria e júbilo comemoramos e rezamos neste mês vocacional.
E se nossa vida de fé tem sua origem e fonte em Deus, assim também a nossa vocação, por isso um outro objetivo deste mês, e o mais importante, é ressaltar a necessidade de rezarmos sempre pelas vocações como o Senhor mesmo pediu: “a colheita é grande, mas os operários são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie operários para sua colheita”. (Lc 10, 2).
Que a Virgem Maria, a Onipotência suplicante, modelo de docilidade ao chamado do Senhor, interceda por cada um de nós em nossa busca por corresponder à sua voz onde quer que nos encontremos, pois “vocação é dizer sempre sim” Àquele que nos chamou à vida.









                                                                                     


  Seminarista Manoel Messias
4°Ano de Teologia
Diocese de Estância-SE

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Memória de São João Maria Vianney


Hoje, 04 de agosto de 2017, a comunidade que forma o Seminário Maior, celebrou solenemente a memória de São João Maria Vianney (Patrono dos Párocos).


Logo cedo, os seminaristas rezaram comunitariamente as Laudes Solene, que fora presidida pelo vice-reitor Pe. Alan Valença.



Ao entardecer desse dia, toda comunidade reunida celebrou a Santa Missa. O presidente da celebração (Pe. Alan Valença) afirma que hoje é um dia muito especial, pois temos três motivos para rendermos graças a Deus. Por ser o mês vocacional e estarmos em uma casa formativa; Por ser o dia do Patrono dos párocos; Por ser a primeira sexta-feira do mês, onde celebramos devotamente o Sagrado Coração de Jesus.



















Fiquemos com um pequeno trecho dos escritos de São João Maria Vianney:
“Meus filhinhos, o vosso coração é por demais pequeno, mas a oração o dilata e torna capaz de amar a Deus. A oração faz saborear antecipadamente a felicidade do céu; é como o mel que se derrama sobre a alma e faz com que tudo nos seja doce. Na oração bem feita, os sofrimentos desaparecem, como a neve que se derrete sob os raios do sol.”
(Do Catecismo de São João Maria Vianney, presbítero)


quinta-feira, 3 de agosto de 2017

“Fazei tudo o que ele vos disser” (Jo 2,5)


No dia 01 de agosto, memória de Santo Afonso Maria de Ligório, os seminaristas do Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição iniciaram o retiro espiritual no Convento de São Francisco/ São Cristovão- SE. O tema do retiro fora extraído de uma das páginas mais conhecidas do evangelho de São João: “Fazei tudo o que ele vos disser” (Jo 2,5), estando em plena sintonia com o Ano Mariano celebrado no Brasil.


O pregador do retiro foi o Pe. Pedro Vidal (diretor espiritual do SMNSC/ Vigário da Paróquia N. Sra. de Fátima – Lagarto-SE). Incialmente, ele dirigiu palavras motivadoras convidando os seminaristas a percorrerem um caminho espiritual durante esses dias. E indago-os: “Como está a nossa amizade com o Senhor?” E recordou que o Senhor sempre está entre nós e caminha conosco.





Durante esses dias, os seminaristas puderam vivenciar uma experiência de proximidade como o Senhor através: da Santa Missa; Liturgia das Horas; Adoração; Confissões; Terços; Meditações; Deserto... Vários sacerdotes estiveram presente nesses dias, ajudando com as celebrações, confissões e direção espiritual.























Nessa quinta-feira, dia 03 de julho do ano corrente, encerrou-se às atividades do retiro espiritual e os seminaristas retornaram imbuídos do Espírito Santo para continuar as atividades.

Seminaristas retornam às atividades 2017/2...


Na memória de Santo Inácio de Loiola, 31 de julho de 2017, foram retomadas as atividades formativas no Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição em Aracaju - SE. Logo pela manhã os seminaristas regressaram à casa formativa, onde foram acolhidos. 

Em seguida, houve a celebração da Santa Missa presidida pelo Magnífico Reitor Pe. Jânison de Sá e teve como concelebrantes os padres Alan de Jesus (vice-reitor) e Pe. Deivide (Diocese de Propriá).



Na sua homilia, o reitor externou sua alegria pelo retorno às atividades e da necessidade de sermos como o fermento na massa, contribuindo para o crescimento do Reino de Deus.


Nesse período, contamos com a presença de novos seminaristas que vieram da Diocese de Grajaú- MA, com a finalidade de fazerem seu itinerário formativo em nossa casa de formação. Após o jantar, os seminaristas seguiram para a cidade de São Cristóvão-SE onde estarão em Retiro Espiritual.